O dia que me confundiram com refugiado …

Durante meu mês na Ilha de Creta (quando ainda não sabia que iria me mudar para lá), tentei pegar carona de Iraklio, capital, até Chania, cidade mais turística da ilha, onde minha host do Couchsurf me esperava.

No começo da missão, conheci um casal da Sérvia na beira da rodovia e começamos a pegar carona juntos. Até então tudo estava correndo muito bem!

Depois de duas caronas bem sucedidas estavamos nós quatro felizes e contentes, em um lugar próximo ao destino, quando um motorista parou seu carro próximo a nós. Todos correm para conferir se ele esta indo pro nosso destino, já checando o carro para ver se cabia todo mundo. Então algo inesperado: o cara deixa o casal de Sérvios entrar no carro, olha para mim e diz: “Not you!”.

Na hora eu nem entendi o motivo real, talvez fosse pelo fato deles serem mais velhos e estarem em casal poderia ser algo no estilo: “só ajudo velhos hippies”. Até então pensei: “de boa”, talvez eu mesmo até fizesse isso um dia!

Falei para meus novos amigos para seguirem sem mim e segue o jogo!

Foi então que o carro andou 500 metros, parou no acostamento de novo, começou a dar ré e parou perto de mim.
Oxi?

O motorista desce do carro (ele tinha um problema na perna), se aproxima de mim, começa a se desculpar, pega minha mochila gigante e coloca no porta malas. Em sem entender nada, entro no carro sem nem perguntar.

Ele achou que eu era da Síria …

O ocorrido foi que ele pensou que era um refugiado da Síria e não queria me dar carona por causa disso! Depois que meus amigos disseram que na verdade eu era Brasileiro, ele voltou. Meio merda isso né?!

Mas a pele escura e o cabelo enrolado também podem ajudar, foi o caso que aconteceu na semana seguinte!

Casal de francesas fazendo “quase” a mesma coisa …

Depois de ficar uma semana em Chania, decidi conhecer a cidade de Rethymo (aproximadaemente 60km a oeste) e claro que eu faria isso pegando carona uma vez que as passagem custam entre 20 e 30 dilmas.

Consegui uma carona bem rápido enquanto caminhava na rodovia, um casal francês parou e me levou direto ao centro de Rethymno. Na real, o lugar que eles me pegaram era horrível para pegar carona, eu não estava esperando conseguir nada lá e estava na caminhada para um outro lugar. Sortudo né?! Mais ou menos hahaha …

Na verdade a esposa, no banco do passageiro, perguntou ao marido: “Quer dar carona?”, e a resposta foi: “Não, to cansado! Só quero chegar lá logo”.

MASSS, quando ele viu meu cabelo crespo, ele pensou: “Putz, é um irmão, preciso ajudar ele”. Claro que descobri isso tudo depois, assim como o fato deles serem francesas mas terem seus antepassados nascidos no Senegal.

Carona nas Ilhas Gregas

Até agora, pegar carona nas ilhas gregas foi incrível, um dos melhores lugares que eu já tentei. Claro, eu gastei mais tempo que as outras pessoas para conseguir uma carona (por ser homem e negro) mas ainda assim minha média foi super rápida. Até quando tentamos pegar caroa em 5 pessoas (Creta), nós levou só 30 minutos para conseguir caronas em pick-ups! Fizemos isso três vezes!

Os gregos, pelo menos nas ilhas, sempre foram gentis e prestativos comigo (dando carona ou ajudando com direções) e um dos motoristas (meio Americano, meio Grego) disse que era meio famoso na região e que tinha feito umas críticas pro presidente da Grécia na semana anterior, em entrevista a uma TV. Ele parceria sser bacana, então escolhi acreditar na história dele xD.

Em Skyros, consegui a carona com um motorista que jogou no Olympiacos durante a época que o Rivaldo jogou aqui , ou pelo menos foi isso que ele disse, nessa história eu eu não coloquei muito fé não hahaha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *